Contos, Crônicas e Causos

O atacante elétrico
Valdomiro era o centroavante do “poderoso” XV de Novembro da Vila Glória, time respeitado e diversas vezes finalista da Copa Perifa, torneio disputado por mais de duzentas equipes em seus tempos áureos.
Magro, esguio e dono de um pomposo penteado “black power” que lhe acrescentava mais uns quinze centímetros aos seus 1, 85m, Valdomiro era o típico goleador voluntarioso e tinha como “ídolo” maior o grande Dadá Maravilha.
Inclusive, Valdomiro justificava sua falta de habilidade com a bola no pé com uma das célebres frases do atacante – “Passo tanto tempo fazendo gols que não tenho tempo para aprender a jogar futebol!”- respondia assim a qualquer questionamento sobre sua “perna-de-pauzice”.
Mas, Valdomiro ficou conhecido, não por seus inúmeros gols, mais de mil, segundo ele, mas por algo ainda mais inusitado.
Era sábado e acontecia no grande “estádio” da Vila Glória, cuja capacidade oficial apontava 1.640 lugares contando árvores, alambrados e muros dos vizinhos, a segunda rodada da terceira fase do diagonal semifinal da Copa Perifa, e tudo corria bem. O Quinzão vencia por 1 a 0, golaço de Valdomiro, quando o tempo começou a mudar drasticamente.  De sol forte e brilhante, passou a céu escuro e com grandes possibilidades de chuva.
Chuva nunca foi problema, afinal quantas finais emocionantes foram disputadas em lamaçais formados por grandes tempestades, mas o problema que ninguém esperava eram os raios.
O jogo seguia normalmente, mesmo com muito vento, muitos trovões e raios, até que numa cobrança de escanteio todos subiram para cabecear, mas Valdomiro, que “parava no ar como beija-flor, helicóptero e seu ídolo Dadá” subiu mais alto que todo mundo e no exato momento em que cabeceou, acertou-lhe em cheio um raio que o fez desmaiar.
Toda a equipe médica, formada por Seo Nonô, massagista experiente e pelo presidente do XV da Glória, “Doutor” Anselmo, entrou em campo para socorrer seu goleador.
Mesmo ainda zonzo e com fumaça saindo do seu black power, a primeira coisa que Valdomiro perguntou quando acordou foi:
- E aí, foi gol?” Num suspiro de alívio, Dr. Anselmo respondeu:
- Foi gol sim, meu craque.
O jogo seguiu e a tempestade também, mas, Valdomiro foi substituído.
Na semana seguinte, o cenário era muito parecido, jogo rolando, Valdomiro em campo e tempestade chegando. Até que em uma jogada parecida, aconteceu exatamente a mesma coisa. Escanteio cobrado, bola viajando, Valdomiro subindo e raio chegando.
- Não é possível! E aquela história de que um raio nunca cai duas vezes no mesmo lugar? Perguntou um atônito e embasbacado Dr. Anselmo.
- Eu acho que é mentira. Respondeu Valdomiro antes de apagar com seu cabelo esfumaçando.
O assunto virou resenha e debate intenso nas rodas de amigos e botecos da Vila Glória. Como poderia, em meio a tanta gente, o raio acertar Valdomiro duas vezes?
Foram muitas teorias, de pacto com o capeta até macumba dos adversários.
Mas, logo uma possível resposta veio do próprio Valdomiro. Ele disse que usava um creme para os cabelos que continha quantidade significativa de nitrato de prata, isso somado a sua altura e sua grande impulsão o transformava num para-raio ambulante.
Diz a lenda que Valdomiro nunca mais usou o penteado black power e queimou o frasco do dito creme, mas um mês depois, lá estava ele de novo estendido no chão, com os cabelos esfumaçados, a bola na rede e a dúvida na cabeça de todo mundo, de novo.

_______________________________________________________________

Toninho Ponto e Vírgula
Nascido em uma comunidade pobre da periferia de São Paulo, Toninho Ponto e Vírgula era figura carimbada nos campinhos de pelada da cidade.
Diz a lenda que chutava a barriga de sua mãe com as duas pernas com precisão absurda, acertando-lhe costumeiramente as costelas e que gritou um estridente “gooollll” ao invés de chorar quando veio ao mundo.
Sempre disse de boca cheia que seu apelido veio de uma dividida com um bebê três meses mais velho - era gato, dizia -  ao engatinhar esfomeado atrás de uma mamadeira, causando grave lesão no joelho que impediu que suas pernas crescessem iguais.
Mas, apesar da perna esquerda mais curta, Toninho cresceu como quase todo brasileirinho, tendo como brinquedo único e favorito uma pequena bola surrada e furada de tanto uso.
Com Toninho não tinha tempo ruim para “bater uma bolinha”. Fizesse sol, fizesse chuva, todo dia ele estava na rua ou nos campinhos improvisados em terrenos baldios. Estando sozinho ou acompanhado, Toninho trocava qualquer coisa pelo esporte bretão, inclusive as aulas no colégio, o que lhe limitou o vocabulário e o saber das coisas.
As letras não eram sua paixão, sua paixão era a bola. Ele viajava em sua imaginação, narrando jogos no chuveiro e chutando o sabonete, quando o alcançava, é claro.
Toninho era tão fascinado por futebol que tudo em sua vida girava em torno do esporte. Ele chegava a ser chato, pois não conseguia mudar de assunto e sempre fazia analogias usando o futebol como referência, embora não fizesse a menor ideia do que seria analogia.
Ao tornar-se adolescente, Toninho fez testes para jogar no seu clube de coração, o fantástico expressinho do Esporte Clube Beira-Rio, cuja sede ficava às margens do córrego Rabo de Gato, onde antes havia peixe. Mas, como não conseguia correr em linha reta, não foi aprovado no rigoroso “peneirão” de quase oito garotos, contando com o próprio Toninho.
Mesmo triste por não poder jogar pelo seu time, Toninho não desistiu e decidiu se tornar treinador. Para isso, Ponto e Vírgula começou por baixo, bem por baixo, carregando as garrafas plásticas de água, lustrando as chuteiras e recolhendo os uniformes no final dos jogos.
Apesar da sua situação, Toninho aguardava ansiosamente cada domingo de futebol e sempre chegava com um grande sorriso no rosto, gritando palavras de motivação para os jogadores do Beira-Rio.
O tempo foi passando e Toninho não conseguia alcançar a posição de técnico. E nas categorias de base? Dizia ele. Sempre ouvindo rotundos “nãos” como resposta. Você não é preparado, não sabe falar e não tem postura de treinador, diziam os “dirigentes”.
Descontente com isso, Toninho resolveu se rebelar e lançou seu nome para a presidência do Beira-Rio, obtendo retumbantes dois votos. Curioso em saber de quem recebeu o outro voto, descobriu que havia sido Tião Roceiro, ex-zagueiro do time que errara na hora de marcar o X na cédula e votara nele sem querer.
Mesmo com tudo isso, Toninho Ponto e Vírgula não desanimava e mantinha aceso o irresistível desejo de ver seu time jogar.
Como não podia ser jogador, nem treinador, nem dirigente, Toninho resolveu “apenas” continuar torcendo, marcando com a forma do seu traseiro o seu lugar na arquibancada de madeira do Beirão Arena.
Os anos foram se passando e Toninho foi ficando velho e cada vez mais corcunda, mas seu sorriso e entusiasmo continuavam. Ninguém conseguia entender como alguém que foi rejeitado de todas as formas possíveis ainda continuava a torcer com tanta alegria e mtoivação.
Esse mistério só foi solucionado muito tempo depois, quando alguns entenderam, ao vê-lo feliz, mesmo com a derrota do Beira-Rio na final do Amadorzão.
Conseguiram entender que Toninho Ponto e Vírgula não amava o Esporte Clube Beira-Rio.
Isso ficou claro quando ele não levantou ao final do jogo, mas manteve seu grande sorriso ao partir desse mundo vendo aquilo que realmente amava e o fazia sorrir, o futebol.


_________________________________________________________________

Apenas um discordar…

Podemos discordar de certos acordos ou concordos, mas jamais podemos deixar de concordar com o direito que cada um tem em discordar de tudo.

_________________________________________________________________

Apenas um devaneio….

Dissídio ortográfico

É que no Principado, onde tudo é perfeito, até a lusitana fala se faz diferenciar e assim relatar nossa alma laboriosa com um classicismo futurista.
Não fizemos parte do acordo ortográfico ao qual seu país fez museu e fez parte, pois temos nossos próprios acordos no falar e no escrever. Não julgamos necessário padronizar, á força, figuras de linguagem e sotaques mil que transportam um idioma á outro como se apenas do primeiro o segundo brotasse e não parte dele fosse.
Fica mais fácil abdicar da língua mãe, fazendo dela base de origem, e exortar aos quatro ventos um idioma propício e próprio às necessidades e desejos de quem com ele se comunica, deixando no ápice do legado, o dicionário, comum á todas as comunidades de língua semelhante.
Seja bem vinda língua-mãe, mas fica-te na boca de quem te fez florescer.
_______________________________________________________________